eBooks

(Atualizado em: 24 de maio de 2017)

Definindo “eBooks”

Para esta postagem gostaria de começar por definir o assunto, ou seja: o que são ebooks?

Isso pode soar como uma pergunta muito simples de responder, mas não é tão simples como você poderia pensar. E ser capaz de responder, corretamente, a esta pergunta fará com que muitas das questões espinhosas sobre como criar ebooks se tornem um pouco mais fáceis.

Se eu fosse pedir à maioria das pessoas para responder a essa pergunta elas, provavelmente diriam: “um ebook é um arquivo digital de texto para ler em um dispositivo digital (um computador, em tablet, smartphone). E essa resposta, em parte, seria verdadeira.

Mas, infelizmente, essa definição abrange uma grande variedade de documentos que não são ebooks. Um arquivo do Microsoft Word, por exemplo, é uma ótima maneira de compor e compartilhar texto formatado (você pode até mesmo adicionar imagens e hiperlinks).

No entanto, os documentos do Word são, por definição, destinados a escrever e editar o texto, e não a distribuí-los comercialmente. Afinal, nós na condição de autores e autoras, não queremos que nossos leitores reescrevam seções de nossos livros sem nossa permissão, não é?

PDF’s

PDF’s são um tipo de arquivo digital que é frequentemente é referido como um ebook (mas que não é).

Arquivos PDF são um formato de arquivo digital portátil que a Adobe desenvolveu como uma forma de distribuir documentos impressos digitalmente.

Ele não apenas é como compartilhamos nossos próprios documentos pessoais através da Internet, mas é como os editores têm transferido arquivos prontos para impressão para impressoras comerciais por décadas.

Então, você perguntaria: “Como é que PDF não é um ebook?

O PDF não é verdadeiramente um ebook, porque mantém o seu formato não importa o tamanho da tela em que seja exibido. Será sempre uma representação precisa do documento em papel que o representa (em um monitor de 27 polegadas, em um monitor de 13 polegadas, em uma tela de 9,7 polegadas ou em um telefone Galaxy de 4,8 polegadas).

A unidade básica de um PDF é a página. E à medida em que a tela do dispositivo de leitura é reduzida (por exemplo, de uma tela de 13 polegadas para a tela de smartphone), o tamanho da página também o será (e com ela o tamanho das palavras e a legibilidade). Qualquer pessoa que tenha tentado ler um PDF em uma pequena tela sabe o que quero dizer.

Características de um eBook

O que um verdadeiro ebook, então, faz, é apresentar imagens e texto formatado corretamente, não importando o tamanho da tela na qual estão sendo exibidos.

Para fazer isso, os ebooks se livram da ideia de “página”. O texto será formatado para fluir corretamente, e quando uma tela estiver cheia, fluirá para a próxima, ou seja, eles são “fluidos”.

Isso gera alguma confusão inicial nos diálogos entre clientes e profissionais que projetam ebooks. Por exemplo, eu constantemente recebo listas de notas de clientes dizendo que um problema específico aparece na “página 23.” Então, eu tenho que alertá-los que a “página 23” em seu laptop pode ser “página 12” no meu grande monitor ou “página 125” em meu smartphone.

As imagens serão redimensionadas automaticamente (se o ebook tiver sido devidamente projetado) às proporções da tela.

Idealmente, os ebooks são atraentes e fáceis de ler em qualquer dispositivo (porque cada dispositivo ou aplicativo de leitura tem controles de leitura que possibilitam ajustes de fonte, etc. Alguém que não gosta de fontes com serifa pode ajustar o dispositivo para ler o ebooks em fontes sans-serifa, por exemplo.

E tudo isso pode ser feito sem alterar o próprio ebook (as alterações são simplesmente preferências do usuário dentro do aplicativo de leitura).




A história dos formatos de ebooks

Há outro tipo de arquivo que pretende fazer a mesma coisa. E você está olhando para um agora. As páginas da web proporcionam, exatamente, a mesma flexibilidade que os ebooks.

E assim, quando o Fórum Internacional de Publicação Digital (IDPF) começou a tentar criar um novo padrão de ebook (há mais de uma década), eles adotaram a linguagem da web (HTML) como um bloco de construção básico.

Na época, havia muitos formatos de “ebook” concorrentes que editores e distribuidores estavam tentando fazer com que as empresas de tecnologia usassem:

  • PDF’s;
  • os arquivos mobi ou Mobipocket da Palm (base de dados orientada para o formato de arquivo original do Kindle);
  • o LIT da Microsoft (um formato baseado em HTML, mas proprietário, destinado a livros a serem lidos no aplicativo Microsoft Reader);
  • e mais alguns.

Então, o IDPF desenvolveu um formato que criou um conjunto auto-contido de arquivos HTML em um formato muito específico e o denominou ePUB.

Na última década, o ePUB tornou-se o formato de arquivo ebook padrão. A maioria dos aplicativos e dispositivos de leitura de ebooks usam alguma variação no formato de arquivo ePUB para exibir texto e imagens corretamente. Isso inclui:

  • os iBooks da Apple;
  • o Nook;
  • o Kobo (Rakuten-Livraria Cultura);
  • e muitos mais (incluindo todos os modelos Kindles da Amazon).

ebook

A classificação acima é um pouco simplificada: o chamado formato KF8 da Amazon (do qual você já pode ter ouvido falar), é na verdade uma variação no padrão ePUB, assim como os arquivos do AZW3 (não os simples arquivos AZW, que são apenas arquivos mobi com gerenciamento de direitos digitais anexado). Os arquivos KF8 são um tipo de monstro Frankenstein com um arquivo ePUB para carregar em dispositivos Kindle mais novos (e aplicativos Kindle) e um arquivo mobi antigo para carregar em Kindles mais antigos.

E o próprio arquivo ePUB não é nada mais do que um pacote independente contendo um grupo de arquivos HTML, com seu próprio conjunto de estilos para formatação e um documento de navegação (ou dois) para garantir que tudo seja exibido na ordem correta.

E isso é o que basicamente é um ebook: um site em uma pequena caixa digital.

Comente